Tidal poderia estar manipulando streamings para beneficiar Beyoncé e Kanye WestMúsica

Tidal poderia estar manipulando streamings para beneficiar Beyoncé e Kanye West

A guerra dos serviços de streaming é real. E enquanto o Spotify é um dos mais adorados do mundo, o Tidal é um dos mais odiados. Agora, ele foi acusado de manipular streamings para beneficiar Beyoncé e Kanye West. Os dois artistas lançaram seus últimos álbuns exclusivamente na plataforma.

Um dos principais motivos de muitos fãs não gostarem da plataforma é porque ela segura alguns lançamentos, como o álbum Lemonade de Beyoncé. Até hoje, mais de um ano após o seu lançamento, o álbum não foi disponibilizado em nenhuma outra plataforma de streaming, somente para venda.


Leia mais:


Tidal emitiu um comunicado negando que manipulou streamings para beneficiar Beyoncé e Kanye West

Segundo o jornal norueguês Dagens Næringsliv, o Tidal teria falsificado cerca de 300 milhões de streamings. Eles começaram a investigar a plataforma em janeiro de 2017. Isso porque suspeitavam dos números absurdos alcançados pelos álbuns Lemonade, de Beyoncé, e The Life of Pablo, de Kanye West.

Segundo a plataforma, o Lemonade teve 306 milhões de reproduções em 15 dias, enquanto The Life of Pablo obteve 250 milhões em 10 dias. O último álbum de Kanye West ficou seis semanas exclusivamente no Tidal, já o Lemonade continua até hoje restrito à plataforma.

Segundo o jornal, eles receberam um HD com dois bilhões de dados internos do Tidal. Os repórteres verificaram com as gravadoras Sony (Beyoncé) e Universal (Kanye) se as informações que eles receberam equiparavam com os números de reproduções informadas pelo Tidal.

Depois de alguns estudos, eles chegaram à seguinte conclusão: 170 milhões de reproduções do Lemonade e 150 milhões do The Life of Pablo eram duplicatas.

Logo depois, a equipe do Tidal tratou de emitir um comunicado à Complex. Eles negatram tais informações, caracterizando como uma campanha de difamação.

Esta é uma campanha de difamação de uma publicação que uma vez se referiu ao nosso funcionário como um ‘oficial de inteligência israelense’ e nosso proprietário como um ‘comerciante de crack’. Não esperamos nada menos deles do que essa história ridícula, mentirosa e falsa. A informação foi roubada e manipulada, e vamos lutar contra essas reivindicações.

O Tidal ainda pretende apresentar todos os dados reais e bem explicados para negar o estudo.

Posts Relacionados

Facebook Comments