Cuidado ao cantar ‘Parabéns pra você’, a Warner pode estar de olhoBuzz

Cuidado ao cantar ‘Parabéns pra você’, a Warner pode estar de olho

Todos já tivemos experiências em festas de aniversários e conhecemos a tradição. O esperado ‘Parabéns pra você’ é o ápice da comemoração, quando todos se juntam para celebrar mais um ano de uma pessoa querida. A letra, conhecida por muitos e tida como a mais famosa do mundo, é acompanhada de muitas palmas e gritos.

Até aí, tudo parece comum, um ritual inocente, sem grandes problemas. Mas é aqui que muitas pessoas se enganam. Em alguma dessas comemorações, você pode ter infringido o direito autoral da música e pode estar devendo uma quantia monetária à Warner/Chappell. Entenda melhor a situação.

Durante muito tempo, a Warner foi a detentora dos direitos autorais do ‘Parabéns pra você’

Poucas pessoas sabem, mas a empresa Warner/Chappell, responsável pela parte editorial da Warner Music, já faturou US$ 5 milhões com direitos sobre ‘Happy Birthday to You’, a mais famosa canção em inglês da história. A informação é do Guinness Book. A música foi composta em 1893 e causa polêmica sobre ter ou não se tornado domínio público.

Durante o tempo no qual a Warner/Chappell teve os direitos sobre a música, ela poderia cobrar 150 mil dólares de qualquer pessoas que a executasse publicamente. A empresa diz em seu site que o ‘Parabéns Pra Você’ é uma das mais de um milhão de músicas de sua propriedade. De acordo com a ação, a canção foi escrita por duas irmãs professoras do Kentucky, Mildred e Patty Hill, inicialmente com o nome ‘Good Morning to All’ (Bom dia a todos)


Leia mais:


O fim das cobranças

Em 2015, George H. King, juiz federal de Los Angeles, nos Estados Unidos, opinou que ‘Happy birthday to you’, a música mais famosa da história e que é usada no mundo todo nas festas de aniversário, não está sujeita a direitos autorais e passaria para o domínio público.

A sentença dele pôs fim a décadas de disputas sobre os direitos autorais da famosa canção. A empresa Warner/Chappell perdeu então os direitos de cobrar sobre a execução pública da música. Além disso, o juiz deixou claro que o documento em posse da Warner lhe dá direito apenas sobre alguns acordes da música, e não sobre o conjunto todo. Desde 1935, quando comprou o documento, a Warner arrecadou cerca de US$ 2 milhões por ano em conceito de propriedade intelectual pelo uso da famosa canção.

Posts Relacionados